Ataque ao TSE desviou R$ 1,2 mi a uma empresa terceirizada de TI

Desvio envolveu a transferência de fundos para três contas bancárias não relacionadas ao fornecedor legítimo
Da Redação
29/04/2024

O ataque hacker sofrido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no último dia 16 desviou R$ 1,2 milhão a uma empresa terceirizada de tecnologia da informação, o que perfaz um total acumulado subtraído da Justiça eleitoral e do Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos de R$ 15,2 milhões.

Segundo o jornal Estado de São Paulo, o desvio envolveu a transferência de fundos para três contas bancárias não relacionadas ao fornecedor legítimo. Há suspeitas de que informações pessoais e empresariais foram utilizadas indevidamente para facilitar essas transações.

A suspeita é de que houve um ataque ao Sistema Integrado de Administração Financeira do (Siafi) do  do Tesouro Nacional, que serve para pagar servidores públicos, fornecedores e efetuar transferências oficiais para Estados e municípios. 

Em um dos casos, uma conta em Paulínia, no interior de São Paulo, recebeu R$ 900 mil desviado do TSE, mas o suposto titular, residente em Belo Horizonte, devolveu o valor após detectar irregularidades. Outros montantes foram enviados para contas em São Paulo e Brasília, totalizando R$ 290 mil.

Veja isso
Invasão ao Siafi pode ter sido fruto de fraude interna, diz fonte
Ministro da Fazenda afirma que não houve invasão externa ao Siafi

As transações teriam sido realizadas via Pix, o que permitiria que os fundos fossem transferidos instantaneamente. Ao mesmo tempo, houve também tentativas de transferir R$ 690 mil para outras contas, mas que foram bloqueadas pelo Banco Central. A Polícia Federal investiga o caso e o inquérito está sob sigilo.

O  TSE confirmou o desvio, mas o Ministério da Gestão não quis comentar sobre o assunto. Já o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou na segunda-feira passada, 22, que não houve ataque externo na invasão ao Siafi. Segundo ele, alguém usou o Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) e a senha do portal Gov.br de gestores de despesas para entrar no sistema e supostamente desviar recursos federais.

Compartilhar:

Últimas Notícias