Exército suíço condena mensageria de outros países

Governo indica a adoção do Threema, desenvolvido na Suíça, como plataforma para troca de mensagens instantâneas entre os militares
Da Redação
09/01/2022

O exército suíço proibiu que os membros de suas tropas utilizem aplicativos de mensagens instantâneas estrangeiros, tais como Signal, Telegram e WhatsApp, e está exigindo que eles usem o aplicativo de mensagens Threema, desenvolvido na Suíça. Segundo o portal Bleeping Computer, um dos motivos para essa decisão “foi a necessidade de garantir a segurança das informações”.

O exército suíço publicou recomendações no Facebook, descrevendo o Threema como uma ferramenta de comunicação segura e sem anúncios, que proporciona criptografia de ponta a ponta e não deixa pegada digital.

Veja isso
Mais uma empresa suíça de criptografia controlada pela CIA
Empresas de vigilância por aluguel espionam ativistas

A Threema está sediada na Suíça e não está sujeita às leis de nenhum outro país, como os Estados Unidos, onde o chamado CLOUD Act (Lei de Esclarecimento do Uso Legal no Exterior de Dados) obriga as empresas americanas de tecnologia a fornecer dados com base em solicitações da Justiça.

No odia 28 de dezembro de 2021, o fundador do Telegram, Pavel Durov, disse que na maioria dos casos as autoridades policiais nem precisam de uma ordem judicial para obter informações confidenciais de muitos serviços de mensagens: “Alguns aplicativos considerados seguros desde o início são financiados pelo governo (por exemplo, Anom, Signal)”, afirmou Durov.

Sua frase foi uma resposta a Moxie Marlinspike, fundador Signal, que acusou o Telegram de não fornecer criptografia de dados ponta a ponta, o que pode levar a vazamentos de informações do usuário: “O Telegram tem muitos recursos interessantes, mas em termos de privacidade e coleta de dados, não há escolha pior”, disse Marlinspike no Twitter dois dias antes.

Com agências de notícias internacionais

Compartilhar:

Últimas Notícias