Pai bloqueou internet móvel em duas cidades francesas

Pai de adolescentes comprou equipamento para evitar que os filhos ficassem nas redes sociais depois de irem para a cama
Da Redação
18/02/2022

A ANFR, Agência Nacional de Frequências da França, anunciou na semana passada ter descoberto um jammer na cidade de Messanges, que causava interferência de rádio bloqueando a telefonia e a internet em todas as faixas de frequências móveis ali e também na cidade vizinha. Segundo denúncia recebida, o distúrbio nunca ocorria antes da meia-noite e na maioria das vezes cessava por volta das 3 da manhã, todos os dias da semana, sem exceção. Segundo relatório do órgão, foi no meio da noite que o Serviço Regional de Toulouse da ANFR iniciou a sua investigação, partindo da frente da estação rádio-base da operadora móvel que havia feito a reclamação, e monitorando a tela do analisador de espectro em sua van-laboratório.

Veja isso
Ataque atinge operadora de ferry boats em Massachusetts
Anatel propõe elevar segurança das operadoras

De repente, o gráfico assumiu uma forma característica. A interpretação dos resultados da medição quase não deixou dúvidas: era a assinatura de um wave jammer, equipamento cuja posse e uso são proibidos na França. O inspetor da agência prosseguiu em direção ao ponto de origem do sinal de interferência, com seu localizador de rádio no teto do veículo e seu receptor portátil para busca a pé. Sua pesquisa o levou a uma casa em uma cidade vizinha, perto da costa. À 1h30 da manhã, a origem do sinal foi identificada. Na manhã seguinte, o agente retomou a investigação indo até a casa: o ocupante do local reconheceu imediatamente que estava de fato usando um jammer comprado na internet. O dispositivo em questão era um jammer multibanda, capaz de neutralizar tanto a telefonia móvel quanto o WiFi.

Segundo a ANFR, o aparelho funcionava entre meia-noite e 3 da manhã para evitar que os filhos adolescentes do proprietário acessassem a internet com o smartphone em vez de adormecer. Os adolescentes estavam viciados nas redes sociais e outras aplicações desde o confinamento imposto devido à epidemia de Covid-19. Após consultar fóruns na internet, o pai decidiu que um jammer era a melhor solução para acabar com esses excessos.

Porém, o equipamento não bloqueou apenas a casa. Ele interrompeu seriamente toda a telefonia e internet móvel na área ao redor dela, privando não apenas seus filhos, mas também seus vizinhos, os habitantes de seu município e o município vizinho de uma boa conexão móvel. Dois dias depois, a operadora confirmou com alívio que a primeira noite havia finalmente passado sem interrupção em sua rede.

O pai de família enfrenta processos judiciais pela posse e utilização ilícitas de um jammer, ambos passíveis de pena criminal até 6 meses de prisão e multa de € 30.000.

Com agências de notícias internacionais

Compartilhar:

Últimas Notícias