spying-3346160_1280.jpg

Spyware Pegasus espionou diplomatas da Finlândia

Diplomatas finlandeses têm sido alvo de espionagem cibernética por meio do spyware Pegasus
Da Redação
31/01/2022

O Ministério das Relações Exteriores da Finlândia descobriu que diplomatas finlandeses têm sido alvo de espionagem cibernética por meio do spyware Pegasus, desenvolvido pela NSO Group Technologies. O malware é altamente sofisticado e infectou os telefones Apple e Android dos usuários sem que eles percebessem e sem a necessidade de qualquer ação por parte do usuário. Por meio do spyware, os criminosos podem ter conseguido coletar dados do dispositivo e explorar seus recursos.

Veja isso
Brasil e Finlândia assinam colaboração em cibersegurança
Apple processa NSO Group por abuso de spyware

O Ministério das Relações Exteriores investigou o caso junto com diferentes autoridades públicas e partes interessadas no outono e inverno de 2021-2022. O problema atingiu funcionários destacados que trabalham em missões finlandesas no exterior. O inquérito permitiu ao Ministério determinar o cronograma das atividades. Neste momento a espionagem não está mais ativa, informou o Ministério.

O Ministério das Relações Exteriores processa informações em diferentes níveis de segurança usando métodos diferentes. As informações transmitidas por telefone são públicas ou classificadas no nível 4 no máximo, que é o nível mais baixo de informações classificadas. No entanto, vale ressaltar que, mesmo que a informação não seja diretamente classificada, a própria informação e sua fonte podem estar sujeitas ao sigilo diplomático.

O Ministério das Relações Exteriores está monitorando continuamente os eventos e atividades em seu ambiente operacional e avaliando os riscos relacionados. O Ministério das Relações Exteriores monitora seus serviços e se esforça para evitar atividades prejudiciais. A preparação e decisões sobre política externa e de segurança, em particular, são assuntos que despertam muito interesse, que também pode se manifestar como inteligência ilícita. O Ministério responde ao risco por vários meios, mas a proteção completa contra inteligência ilegal é impossível.

Com informações da assessoria de imprensa

Compartilhar:

Últimas Notícias